Tópicos Polêmicos

Eu tava pensando em começar uma série de tópicos sobre assuntos polêmicos, só pra escrotizar essa p*rra toda!
Então lá vai, ainda sem data marcada mas com ordem, prévia, estabelecida, esta é a ordem dos tópicos:
Vida: Aborto, Células-Tronco e Pena de Morte (e Desarmamento)
Tortura
Discriminação: Religiosismo, Racismo e Xenofobia
Sexismo: Machismo, Feminismo e Homofobia

Por enquanto é só isso… provavelmente nesta ordem, mas eu posso acabar juntando alguns tópicos ou lembrando de mais coisas… por aí vai.

Beijundas e boa noite pra todos os meus leitores (i.e. eu).

Um ingresso para o Teatro dos Sonhos

Ponha 5 virtuosos (virtuosíssimos) num palco – um guitarrista, um tecladista, um bateirista, um baixista e um vocalista – eis o Teatro dos Sonhos. Além das primorosas execuções da banda, que tocou muita coisa do álbum novo, meu desafio particular colaborou para coroar o espetáculo.

Dream Theater - John Myung (Baixo), John Petrucci (Guitarra), James LaBrie (Vocal), Jordan Rudess (Teclado) & Mike Portnoy (Bateria)

Eu e Titi (Always ‘be’ together, never ‘be’ alone!) fomos ao “showzinho” da banda Dream Theater – na última sexta feira, dia 07 de Março de 2008, no Citibank Hall*- e, como não poderia deixar de ser, foi f*da-pra-c*ralho-à-beça!

Mas antes analisemos minha situação brevemente.
Há pouco tempo eu havia baixado o último álbum da banda, o Systematic Chaos. Fiquei ouvindo esta versão falsa por muito tempo, mas sem prestar atenção, só pra ir me acostumando com a sonoridade “pouco comum” do novo álbum. No dia do show eu resolvi dar uma conferida melhor no que eu tava ouvindo e tentar memorizar algumas letras. Ao fazer isto percebi que a p*rra que eu tava ouvindo era falsa. Ao comparar as letras das músicas e a duração das faixas do álbum que eu havia baixado com as disponíveis em domínios virtuais eu percebi que fui vítima de um golpe. Traduzindo. Algum fila-das-p*ta gravou 8 músicas e renomeou-as como se fossem as músicas do Systematic Chaos, e mal-intencionadamente comprimiu-as em um só arquivo, que nomeou como o último álbum da banda, e deixou-o disponível em uma rede de troca de arquivos mui popular, o eMule, para que otários – como eu – baixassem e ouvissem aquela p*rra toda!

Não o bastante, eu – pé-rapado que sou – comprei o ingresso mais barato, o de pista, que eu considero o lugar próprio para se estar num show de Rock. Já Titi, que estava com o joelho direito ferrado, e sendo grande discípulo do Metal, esforçou-se mais e comprou um assento na área das poltronas. Destarte durante o espetáculo em si ficamos separados!

Não obstante, eu – guerreiro (do Metal) que sou – resolvi assistir o show o mais próximo do palco que pudesse (eis meu desafio particular). Traduzindo. Perrengue! Após muitas cotoveladas, jogo-de-cintura, jogo-de-pernas e jogo-de-ombro consegui me estabilizar com somente 3 pessoas entre mim e a grade de contenção. Com muito esforço antes do bis eu consegui ficar a somente 1 pessoa da grade de contenção. Pra mim isso já era o suficiente àquela altura do campeonato.

Apesar de toda a espremedeira e cotoveladaria deu pra curtir o Dream Theater e viajar no som único que a banda faz!
Eu vou ficar devendo fotos do show. Quem tirou as fotos foi o Titi que tinha uma câmera melhor do que a do meu celular para registrar o evento.

* – Citibank Hall, pra quem não conhece, já se chamou Claro Hall, ATL Hall e Metropolitan. Deviam mudar o nome dessa m*rda pra Metropolitan Hall ou só pra Hall e F*da-se!

Beijundas e boa noite pra todos os meus leitores (i.e. eu).