Tópicos Polêmicos II – A Vingança

Eu deveria falar sobre os assuntos listados no tópico anterior (de 5 mil anos atrás), mas eu resolvi abordar outros temas polêmicos!

Neste domingo, dia 4 de Maio de 2008, a Marcha Pela Legalização da Maconha foi proibida pela justiça em todo o país.
Eu entendo que usar maconha seja crime (mesmo sem pena), entendo que vender maconha seja crime, mas utilizar a liberdade de expressão para defender uma modificação na lei (legalizar do uso e venda desta substância) não é crime.
Proibir a marcha da maconha é a mesma coisa que proibir uma manifestação a favor do aborto, da pena de morte ou da remessa de divisas. Hoje estas praticas configuram crimes, mas há quem entende que não deveriam ser. E talvez amanhã não sejam. Ninguém proíbe uma marcha a favor do aborto. Ninguém prende por Apologia ao Crime pessoas que defendem abertamente a pena de morte. E ninguém impede uma manifestação popular a favor da legalização da evasão de divisas (isso porque ninguém faria uma manifestação popular por isso…).

Quem me lê escrevendo “tão” a favor da marcha da maconha, pode até pensar que eu abraço seriamente essa causa. Nem tanto mestre, nem tanto…
Só para ficar registrado, eu nunca utilizei qualquer substâcia ilícita. Digo isso pra evitar o preconceito de algumas pessoas que pensam que todo mundo que defende a legalização de algumas substâncias é usuário.
Eu sou a favor da legalização da maconha e de mais algumas drogas (leves), mas não sou esse entusiasta todo na defesa. Até porque eu acredito que a atual conjuntura politíco-social do país não seja a mais propícia para a legalização. Porém o debate deve ser realizado.
Eu acredito na liberdade de auto-destruição de cada um, desde que isso não destrua a outrem que não queira ser destruído. É válido lembrar que a liberação das drogas não envolve somente a liberdade de se destruir do indivíduo, envolve também a saúde pública, economia nacional e mais sensivelmente a segurança pública!
Meu motivo de indignação pela proibição da marcha não são as drogas, ou a liberdade de consumo. Mas sim algo que eu considero muito mais importante: a Liberdade de Expressão.

A Liberdade de Expressão foi a maior vítima desta proibição, a meu ver. Por isso peço a todos os meus leitores (i.e. eu) que fiquem atentos aos direitos fundamentais e basilares dum Estado Democrático de Direito que muitas vezes são violados sem que se note.